Conto da Chuva

A nossa turma fez uma caça aos fantasmas. Foi muito divertido!

Os Pequenos Fantasmas Proposta de trabalho 

A. Vamos caçar uns fantasmas pequeninos que te aparecem no texto. São vogais

 tontas que resolveram abraçar algumas palavras. Mete-as todas em círculos. 

B. Já que as encontraste todas, que tal fazeres uma  gotinha de chuva para cada vogal tonta? E já agora desenha um guarda-chuva debaixo dessas gotas marotas. Será que ainda cabe uma ou duas nuvens cinzentas? Pinta o desenho.

C. Vamos copiar o texto limpinho desses fantasmas para a zona da folha que tem linhas. Faz a letra bonita.

O conto da chuva

Esate é ao contao que a chuiva conetou a umia meninoa miunha amigao, numea tarede cinzenita de Inverino. Esete éo conato que a chuva conatou batendou, ritamadamentue na vidruaça fechiada do quarito onede a meniuna estoava deiteada.

Era umia viez….

Desenho:

                    

Cópia:________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

________________________________________

Formação do PNEP

No âmbito desta formação foi trabalhada a história do Gato Barrabás. Da qual surgiram trabalhos muito engraçados produzidos pelos alunos, dos quais, destacamos algumas bandas desenhadas.

PASSEIO AGRADÁVEL À ALDEIA DE LAZARIM

Um dia, a Sofia foi dar um passeio agradável com a sua amiga Andreia pela aldeia. Adoraram os monumentos que viram, tais como: a capela de S. António e a capela de S. Bartolomeu. Também gostaram do fontanário de lavar a roupa, para onde vão, animadamente, lavar as senhoras da aldeia.Lavadeira

Ficaram aborrecidas com o pouco cuidado que as pessoas têm com o pequeno ribeiro, que se encontrava sujo e abandonado.

Acharam a ponte Manuelina uma coisa muito bonita de se ver!

Para ser um dia diferente chegaram mais adiante e entraram pelo pinhal dentro. Aí havia árvores de várias espécies e também muitas plantas. Viram algumas construções, de modo a estarem em sitíos mais tranquilos e sossegados, com muito ar puro. rio.jpg

Aproveitaram ainda para comer uma merenda por lá. Foi um dia em cheio! Esse, o das amigas para recordarem mais tarde.

Gabriel Loureiro Carvalho

Aluno do 4º ano

Escola do 1º Ciclo de Lazarim

 

plourinho.jpg

 

A Cinderela e o Diabo Travesso

Era uma vez, na aldeia de Lazarim, uma donzela, a Cinderela, que resolveu passear e pelo caminho encontrou uma casa a ser construída.

Nessa casa iria viver o príncipe Novel.

– Olá, bom dia! – Disse a Cinderela.

– Olá, quem és tu? – Perguntou o príncipe.

– Eu sou a Cinderela. – Respondeu ela.

– Queres ir passear? – Conheço um sítio espectacular. – Disse o príncipe.

– Sim, vamos- respondeu a Cinderela.

Os dois passaram por uma fonte e chegaram ao rio. fonte1.jpg

Mas quando lá chegaram ficaram desiludidos, pois o rio estava todo poluído, porque os residentes da vila não têm cuidado com o rio, que tem uma prancha para dar bons mergulhos.

Eles aproveitaram para passar por uma ponte Manuelina, que pertence ao rio Varosa.ponte-manuelina.jpg

Ao chegarem à capela de São Bartolomeu, encontraram um duende. Esse duende chamava-se Orlines.capela.jpg

– Então estás a gostar do passeio? – Perguntou o príncipe.

– Sim estou. – Respondeu ela.-

– Passaram por uma casa com uma grua azul e muitos soitos.

Eles iam tão distraídos que não deram conta que alguém os seguia. Essa pessoa deixava pegadas vermelhas e azuis.

Quando regressaram repararam, então, nessas pegadas e disseram os dois ao mesmo tempo:

– Quem será?

– Quem será?

Mais à frente repararam que as pegadas formavam a palavra diabo, por isso mandaram por duas cruzes onde estava escrito “DIABO”, para o assustar.cruz.jpg

O “DIABO“ nunca mais se viu ali por perto. O pior é que 5 meses depois, o “DIABO” voltou.

O príncipe como mandava na aldeia, ordenou a um homem que andava ali perto a caçar para colocar cruzes por todo o lado.

Foi assim que o diabo desapareceu e todos viveram mais felizes. Todos menos o diabo. O que será que lhe aconteceu?

Isso é o que nós veremos quando nos voltarmos a encontrar…moinho.jpg

Jéssica Cardoso Pereira

Aluna do 4º Ano

Escola do 1º Ciclo de Lazarim

Boa Visita pela nossa Vila

 

 

 

 

 

 

« Older entries